segunda-feira, março 14, 2005

Portugal? Que se queime!

A falta de um plano nacional de combate aos incêndios florestais conduzirá, inexoravelmente, ao reacender dos incêndios que se extinguiram em 2004.
Ninguém parece muito preocupado com isso.
O trabalho da autoria de Pedro Almeida Vieira, publicado numa Grande Reportagem de Agosto de 2004 e aqui transcrito na integra, aponta a solução que a Andaluzia adoptou para combater os incêndios florestais, numa área sensivelmente igual à de Portugal Continental. E tem resultado:
Desde 1995 que o total de área ardida na Andaluzia é inferior ao que chegou a arder em um só dia em Portugal nos fogos que deflagraram entre 2002 e 2005!
Ninguém parece muito preocupado com isso. Os sapadores de Castelo Branco estão à beira da extinção, por exemplo. Não há dinheiro, dizem.
Quando, a seguir ao próximo Verão, o pelouro da REN e da RAN passar para as mãos das autarquias a pretexto da "ineficácia" da sua presente gestão sendo essa uma das "razões" da sua destruição pelos incêndios, etc., , então será tarde.
Os autarcas, esses, poderão refazer os PDM a seu belprazer, depredando as florestas de cada concelho como bem entenderem, concedendo licenças de construção a torto e a direito, sacrificando a gestão de um património colectivo insubstituível ao asfalto, ao betão, à ignorância e à estupidez.
A República, ufana, exulta.

1 comentário:

rajodoas disse...

Concordo inteiramente com esta visão.
Efectivamente não tem havido por parte de nenhum partido político com responsabilidade governativa, políticas sérias para protecção da nossa floresta
e confiar essa responsabilidade ás autarquias significará a sua extinção total pelas razões que invoca no post e
sobretudo pela corrupção nelas reinantes.

 
Iniciativa Legislativa de Cidadãos contra o Acordo Ortográfico. Leia, assine e divulgue!