quinta-feira, agosto 11, 2005

Doze de Agosto






A "época dos incêndios" está mais que a meio, quase perto do fim. Cento e vinte mil hectares ardidos depois, a discussão estéril, a recriminação desabafante, a co-irresponsabilidade total dos senhores do poder está bem patente no cinzeiro nacional, na desolação da paisagem, na desertificação resultante da chacina pueril a que foi submetida a floresta, a paisagem, a fauna natural, a alma de todos os portugueses.
O ministro António Costa, após se ter reunido com os vários "responsáveis" (esta coisa dos fogos é complexa, há que haver vários, senão mesmo muitos "responsáveis") pelos vários pelouros que dirigem nos diversos e variados "combates" que travam contra as "chamas". O mais tecnológico dos quais foi o do Bloco de Esquerda, apelando ao combate às chamas na origem, leia-se, na sua divulgação.
Medindo áreas ardidas com fita métrica, os senhores do poder da república chegaram à sossegantemente provisória cifra de 68 mil hectares ardidos. Mas a Europa (a que todos reclamam que Portugal pertence) mercê do recurso a meios tecnológicamente chocantes, incuindo o rastreio por satélite, chegou a uma cifra bem maior: 120 mil hectares ardidos. Até agora.
Não é culpa deste ou daquele partido.
É, isso sim, culpa do regime, porra.
A república está morta. E fede.
Se fede.
Real! Real! Por El-Rei de Portugal!

5 comentários:

O Micróbio disse...

Acabaste de atear por aqui um verdadeiro incêndio real... ou será um real incêndio?

Afonso Henriques disse...

1. Não existem verbas para recrutar os mil e tal guardas florestais que faltam devido à "contenção orçamental".
Mas quando se trata de indemnizar, de forma obscena, os administradores da CGD destituídos já não há "contenção orçamental".
2. A ideia peregrina do BE de eliminar as imagens das chamas na televisão à semelhança do que se faz em Espanha e nos USA colheu no seio do governo. Pergunto: Não seria preferível copiar o modelo de prevenção e combate aos incêndios adoptado por esses países, na Andaluzia por exemplo, para além de recomendar que se apaguem as chamas da TV?

O Velho da Montanha disse...

Meu caro Afonso Henriques, perdoar-me-à a falta de decoro e a vulgaridade da expressão, mas acho que a república, não só fede, como nos fode. Um abraço.

alias disse...

Ignorância republicana: porquê "12 de Agosto"?

Anónimo disse...

Caro Afonso,
meu homónimo, o teu tempo já passou. Vai lá para a tua tumba e porta-te como o morto decente que és.
Olha que ainda te aparece o D. Duarte e ressuscitas de susto!

Afonso Costa

 
Iniciativa Legislativa de Cidadãos contra o Acordo Ortográfico. Leia, assine e divulgue!