domingo, agosto 13, 2006

Mais um post

Há já largos dias, diametralmnte gigantescos, que tenho poupado a blogosfera em geral e certos hábitos particulares deste simulacro de democracia a que pomposamente os senhores do poder, e seus indefectíveis seguidores, teimam em chamar de república.
Comecemos pela retirada de cena de Fidel. Então não é que ouço e vejo Miguel Sousa Tavares comentando na TVI a tecer-lhe admirações como quem desenvolve tapetes de Arraiolos, "que era uma pessoa com convicções, que nunca se quis servir do poder para enriquecimento próprio que, enfim, nutria uma certa admiração por pessoas deste tipo, que quando comparados como a classe política de agora marcam uma diferença ...." etc, etc,. Não tivesse eu percebido que dissertava sobre Fidel e juraria que o discurso se aplicaria que nem uma luva ao velho botas, que massacrou estas gentes durante mais de quarenta anos, mercê precisamente das suas fortíssimas convicções e do seu desapego a fortuna própria. Ele há coisas do camandro.

**********************************************************

Passou a lei da paridade, e com ela mais um atestado paternalista de incompetência foi passado às mulheres portuguesas.

**********************************************************

Os fogos continuam. Postos por mão criminosa mas de imediato localizados os culpados: os aldeões que, com os foguetes que lançam nas suas festas de verão, são eles afinal os grandes responsáveis pela calamidade anual que assola o país.

**********************************************************

Curioso também que o coro dos que gritavam e berravam pelas ruas "Portugaliiiii ti ti ti pó pó pó",
tenha sido o mesmo que se ergueu indignado com a possível e justa isenção do pagamento de IRS sobre os prémios dos jogadores. O povo é assim: uma besta que vai para onde se lhe aponta o aguilhão. Se ao menos estivessem atentos às mudanças anuais de frota automóvel dos que falam em solidariedade perante a crise...

**********************************************************

Hove um avião israelita a caminho do Médio Oriente carregado de material não ofensivo (provavelmente panelas de pressão, esfregões bravo, revistas "Maria" e terços) que se serviu do aeroporto das Lajes para reabastecer. O Governo disse que foi um acontecimento de carácter excepcional. Exacto.

**********************************************************

Eduardo Prado Coelho afirma que não lê blogues. Faz mesmo questão de o repetir. Também afirmou, na Visão e com orgulho, que não faz a barba desde 1972. Para Taliban também já lhe falta muito pouco.

**********************************************************

Sobre o recente movimento "Não apaguem a memória" só tenho isto a dizer: A memória foi e é apagada diariamente neste país. Quer com a delapidação constante do património nacional, em que as armas com a coroa foram e têm sido sistemáticamente arrancadas dos frontões de fortes(*) ,castelos e monumentos, quer que com as comemorações do próprio 25 de Abril, em que só um pífio punhado de gente se juntou este ano na Praça do Município para as suas comemorações.
Enquanto o direito à propriedade não for respeitado neste país podem os senhores do poder ter a certeza que a memória não será apagada.

(*) Veja-se a recente "recuperação patrimonial e arquitectónica" do Forte de Caxias, em que permanecem vergonhosamente mutiladas as armas reais no frontão da sua entrada. Vê-se da Marginal.

*******************************************************************

Só mais uma coisa: A Ponte de aço, suspensa, que liga Lisboa à outra margem é e será sempre A Ponte Sobre O Tejo. Nem Salazar a fez, nem a fizeram num só dia. Em memória dos que nela trabalharam e morreram.


1 comentário:

Bic Laranja disse...

Mais um bom verbete. Cumpts.

 
Iniciativa Legislativa de Cidadãos contra o Acordo Ortográfico. Leia, assine e divulgue!