sábado, julho 07, 2007

Histórias de Encantar X

Há cerca de quinze anos atrás, na sequência de uma desastrosa aventura pelos pantanosos caminhos da construção civil, o meu irmão Jaime, tomado de ares e de coragem, resolveu iniciar-se de primeira pelo não menos claro percurso da especulação imobiliária.
"O Alentejo, porra!" começava ele, imediatamente a seguir à última colherada de sopa ou ao primeiro naco de pão demolhado nos coentros das ameijoas, dependendo da estação do ano.
"O Alentejo é que é!!" concluía após uma dissertação ininteligível sobre compra e venda de Montes abandonados em herdades desmanteladas, pequenos investimentos para "recuperar a traça" (ficávamos sempre sem saber se isso significaria "abrir o apetite" ou não) divulgação do produto, contactos e venda. Mas o Jaime estava-se era bem cagando para a possibilidade omnipresente da ininteligibilidade do seu discurso. Para ele o Alentejo é que era.
Certo dia, numa das suas deambulações pela planura alentejana empancou-se-lhe o carro. Pifou.
Debaixo de um Sol impiedoso dardejando um calor abrasador conseguiu encostá-lo à berma, a cerca de trezentos metros da sombra inútil proporcionada pelo único carvalho multicentenário do distrito.
"Foda-se" murmurou aos berros enquanto levantava o capot do velho Golf TDI.
Olhou lá para dentro, olhou e nada. Não percebia nada do que via: tubos, fios, latas com tampas, tampas sem nada por baixo, tubos e mais tubos e nada. Não fazia a mais pálida, esquálida ou confrangedora ideia do que carga de água ou o camandro tinha acometido o cabrão do carro.
Mal tinha tido plena consciência, naquele segundo interminável, do atascanço em que estava metido quando ouviu resfolegar à sua esquerda. Rodou a cabeça na direcção do som forte e próximo e deparou com as ventas de um imenso cavalo preto. Mal recuperara do cagaço e isso só para ouvir o cavalo dizer "Carburador. A tampa do carburador está solta." Dito isto, o cavalo desapareceu num galope completamente ridículo para a intensidade do calor e a dimensão da planura existentes.
Jaime voltou a mergulhar a cabeça no interior das entranhas do velho TDI com o pressentimento inquestionável e afiançado por uma adolescência parcialmente consumida em meses de wrestling com uma Maxi Puch na menopausa que, e isso de certeza, carburador tinha a ver com velas. Por fim lá deu com a merda da tampa do carburador desapertada. Sacou do Victorinox que o pai lhe dera quando perdeu uma aposta e apertou a tampa do carburador. Ansioso entrou no carro, rodou a ignição e o ronronar do diesel que se fez ouvir sossegou-o com a calma própria de uma história de embalar.
Enquanto o carro rolava pela estrada a única coisa que lhe estalava a realidade tórrida era a imagem daquele magnífico cavalo preto. A certa altura, avistando a silhueta inconfundível de uma decrépita bomba de combustível resolveu parar. Não que precisasse de reabastecer. Precisava só, mas desesperadamente, de falar com alguém. De contar o que lhe acontecera.
Abrandou e encostou à sombra, por baixo da canopy em forma de cogumelo da bomba. Desligou o motor e acendeu um cigarro. O homem da bomba apareceu devagar, como se tivesse saído debaixo do chão.
- Bs' tardes..- disse.
- Boa tarde.- respondeu Jaime apagando o cigarro de imediato. - É para atestar, s'fáxavor.-
Enquanto o homem da bomba dava início à complexa tarefa de reabastecer o terceiro carro da semana Jaime saíu do Golf aparentando sem esforço o ar de um latifundiário ocioso de mãos nos bolsos enquanto perscrutava desinteressadamente o horizonte dourado, seco e quente que envolvia a cena.
- Nem sabe o que me aconteceu.- atirou, partindo o silêncio sem cerimónia.
Nos cacos do silêncio recém quebrado o homem da bomba levantou a cabeça com um boné muito velho e olhou para cima, para a cara dele. Sem se conseguir conter Jaime contou o que lhe acontecera.
- Tive uma avaria no carro uns quilómetros lá para trás e de repente apareceu um cavalo preto vindo nem sei donde e disse-me "Carburador. A tampa do carburador está solta." Arranjei aquilo e o carro ficou bom...
- Pois.- disse o homem da bomba devolvendo o olhar à mangueira enquanto abastecia.
- Vomecê teve muita sorte. - acrescentou.
- Então porquê? - retorquiu Jaime com a certeza que tinha de que o homem da bomba não percebera patavina, ou não acreditava, naquilo que ele lhe acabara de contar.
- É que tem andado por aí um cavalo castanho que não percebe puto de mecânica.-

2 comentários:

Sofia disse...

:)))
Lindo! :)

dragão disse...

Majestade,

O texto, sem favor, está estupendo. À parte uma minudenciazinha de somenos, que nada fica a dever à estética mas apenas à verosimilhança: os "diesel" não têm carburador.
:O)

 
Iniciativa Legislativa de Cidadãos contra o Acordo Ortográfico. Leia, assine e divulgue!