quarta-feira, outubro 10, 2007

O centenário

A nomenklatura republicana nativa deveria estar empenhada em angariar festejos para o centenário que se aproxima. Mesmo que pouco, mas deveria. Por uma questão de princípio. Talvez daqui a três anos consiga assim reunir algumas dezenas de "manifestantes espontâneos" que, de alguma forma, seja a fazerem o pino, às cambalhotas e piruetas (em que se doutoraram ao longo dos anos), a vender sandes e cerveja ou em paradas proto vanguardistas devidamente acolitados por artistas subsídio-dependentes e a omnipresente chusma de parasitas, consiga substituir a patética presença dos oito ou doze calimeros que se juntam a cinco de Outubro, na praça de município, a bater palmas ao presidente da câmara de Lisboa. Qualquer que seja.
Aliás um dos motivos que contribuem de forma significativa para a grande quantidade de candidatos à presidência da Câmara de Lisboa sempre que há eleições é, precisamente, o aplauso anual que recebem por ocasião das comemorações do 5 de Outubro de 1910, independentemente de terem feito o que quer que seja no seu mandato.
Depois há que contar com os desfiles, militares por certo, e outros. Já agora atrevo-me a propor o mare nostrum, a outrora Doca dos Olivais, para servir de cenário à parada de submarinos, fragatas e helicóteros. A Guarda Republicana, entre outras actividades lúdico-educativas, poderia enrolar e embrulhar as ruas e estradas de todo o Reino, com aquela fita de plástico às riscas encarnadas e brancas com que se têm treinado com afinco nas recepções feitas a cada saída do 1º ministro rumo ao Portugal real. Em seguida viriam as figuras governantes de tesoura em punho cortando as ditas fitas sob ensurdecedores aplausos pré-gravados e transmitidos em directo, inaugurando os próximos cem anos de anedotário.

Sem comentários:

 
Iniciativa Legislativa de Cidadãos contra o Acordo Ortográfico. Leia, assine e divulgue!