terça-feira, maio 20, 2008

Actualidades da república

As eleições internas no PSD servem sobretudo para manter ocupados barões, bases, militantes e simpatizantes.
É uma espécie de
fait-divers que distrai as atenções, entretém as hostes, serve de pasto aos média. Tem as suas semelhanças com um Benfica destroçado que procura reorganizar-se para a época seguinte. Nem a ambos falta aquele sal especial, aquele sabor exótico a que chamam mística. Tanto no PSD como no Benfica abunda a mística.
Só que não vai servir de nada. O governo do PS continuará a navegar ao largo e sem oposição. Ganhe quem ganhar as eleições internas no PSD, a terceira via de Sócrates, versão indígena da third way de Blair e Giddens, veio para ficar. Ao fim de três anos de governo, acabado que está o tempo das concessões ao liberalismo de direita, dentro de lo que cabe, bem entendido, seguir-se-ão as concessões à esquerda, de acordo com a boa prática preconizada pelo manual de Anthony Giddens. Manuela Ferreira Leite quase que adivinhou isso quando ontem referiu que pela primeira vez o governo mencionou políticas sociais no último debate semanal na AR. Ingenuamente acha que foi devido à sua voz que tal se fez ouvir.
A realidade de Portugal afasta-se cada vez mais das politiquices da república, e aproxima-se em cada dia da importância que os monárquicos deram à classificação territorial da RAN e da REN. Com a crise do aumento dos preços dos combustíveis, dos alimentos e da água, é patente a necessidade de uma verdadeira política de gestão territorial sustentada, que garanta a produção agrícola para consumo interno, sem fazer depender a satisfação da procura de alimentos de transportes trans-europeus cada vez mais caros e dependentes de factores que não controlamos.
No entanto, o abc da política seguida pela república portuguesa (Asfalto, Betão e Consumismo) continua a ser a cartilha do desenvolvimento e do progresso que, na fantasia de Sócrates, transformará Portugal numa Irlanda ou numa Finlândia, independentemente da diferença de percurso e da História de cada um desses países.
A História, aliás, é cada vez mais um fardo a arrear, um conhecimento e experiência descartáveis na república de plástico em que Portugal se transformou. Veja-se, por exemplo, a indignação republicana no passado 1 de Fevereiro aquando do centenário da morte de El Rei D. Carlos.
Ou o espanto do PR com a manifesta ignorância da História recente de Portugal aquando das comemorações do 34º aniversário do 25 de Abril.

Sem comentários:

 
Iniciativa Legislativa de Cidadãos contra o Acordo Ortográfico. Leia, assine e divulgue!