terça-feira, outubro 07, 2008

No regresso de Braga

Ouvindo a TSF, sou avisado de que, ao fim da tarde, no estabelecimento do Carlos Vaz Marques, também conhecido como a tasca do Pessoal e Transmissível será entrevistado Miguel Esteves Cardoso (MEC). Dei por mim a sorrir na espectativa. Chegada a hora apanhei uma barrigada de riso e boa disposição como há muito não acontecia. De repente aquele gajo dizia de si próprio qualquer coisa como "...aquele cabrão está gordo que eu sei lá..." com o à vontade de um político e a sinceridade de um jardineiro como se o importante fosse isso mesmo. Dizer o que nos apetece, quando nos apetece e o resto que se foda. Gostei de o ouvir dizer que os blogs estão na vanguarda da comunicação, sobretudo da imprensa. Escrita. Muito à frente de jornais, etc. É verdade mas sabe bem ouvi-la em broadscast. "E os blogs?" perguntou o Vaz Marques naquele tom de pergunta feita do alto de um trapézio (tenho uma fantasia que consiste no seguinte: O Carlos Vaz Marques executa todas aquelas entrevistas enquanto se baloiça sorridente em espaldares e argolas, num ginásio imaginário que é o seu habitat enquanto desencadeia perguntas e respostas naqueles minutos entre as sete e as oito da noite que é o tempo que lhe dão para entrevistar); "Adoro blogs" ripostou o MEC. "Estão na vanguarda da comunicação em Portugal. São dos melhores que há quando comparados com ingleses, americanos, etc. E, em Portugal, há pelo menos cem que são muito bem escritos, coerentes nas ideias, no grafismo" etc, etc.
Em Portugal não se come mal é o título do seu último livro. Depois de o ouvir dissertar sobre a eficácia da barreira sanitária anti-bacteriana que nos é gratuitamente disponibilizada através da ingestão de alho e wasabe face à prepotência inquisitorial de uma ASAE plenipotenciária ouvi tudo o que quis. Nunca nenhum português conheceu tanto os portugueses como aquele tipo.
Malgré o sotaque de menino da linha, quiçá paneleiróide, que tanto nos chateia, a mim e à Sancha, o MEC, sendo um dos maiores escritores que esta terrinha pariu nos últimos anos, é uma instituição. Já agora arranjem-lhe uma casinha aqui no burgo. Não é preciso uma Casa dos Bicos com Fundação e estacionamento à porta. Basta uma casa portuguesa, com pão e vinho sobre a mesa, no coração de cada um de nós.

Sem comentários:

 
Iniciativa Legislativa de Cidadãos contra o Acordo Ortográfico. Leia, assine e divulgue!