sábado, setembro 26, 2009

O caso das escutas de coiso

É só um exemplo, mais um, revelador da impossibilidade técnica da imparcialidade do chefe de Estado numa democracia partidocrática como a que rege o regime republicano português.
Nunca me convenceu a devolução do cartão partidário quando se candidatou. Até porque eu, por exemplo, que até sou adepto do Sporting, nunca precisei do cartão de sócio para o provar.
O "Estado de Graça" que caracterizava o comportamento, no primeiro mandato, dos presidentes da república do pós 25 de Abril caiu da cara de Cavaco abaixo. A postura de Rainha de Inglaterra, outra característica dos presidentes referidos durante o primeiro mandato, não a pôde suportar mais tempo: a saia era curta e viam-se-lhe os coisos.
Cavaco além disto tudo será outra excepção. Será o primeiro presidente pós 25 a não se recandidatar a segundo mandato. Cada vez mais ganha forma a noção de que chefe de Estado suprapartidário é indissociável de monarquia.

Sem comentários:

 
Iniciativa Legislativa de Cidadãos contra o Acordo Ortográfico. Leia, assine e divulgue!