segunda-feira, janeiro 10, 2005

Alentejo I

A coisa era assim havia anos. Em todos eles o Ti Zé vinha d’Elvas, onde morava, e estadava-se em Borba por alturas da Feira de Santos. Hospedava-se em casa da Ti Maria, que era sempre avisada da sua chegada com dois meses de antecedência. Um ano, acossado pelo tempo e por maleitas várias o Ti Zé não se julgou capaz de aparecer na Feira. Não marcou estada na da Ti Maria.
Entretanto melhorou e três semanas antes da feira, em cima da hora portanto, resolveu aparecer a marcar dormida.
- Agora, Ti Zé? Agora já não tenho vaga... – Lamentou-se Ti Maria. –Mas se vomecê for à do Ti João pode ser qu’ele vá em lhe arranjando qualquer coisa.

E ele lá foi, de saca às costas e as botas cardadas ressoando na calçada.

- Entre, entre Ti Zé que em acabando aqui este serviço já lhe arranjo onde dormir.
E assim foi.
A meio da noite porém, Ti João foi dar com um sonolento Ti Zé deambulando pelo corredor da casa murmurando rezas e coisas.
- Atão que se passa Ti Zé ? Acabou-se-lhe o sono ?
- Eu não. A cama está é cheia de percevejos!
- Atão pois, que é como pertence. Vomecê queria que a cama estivesse cheia de quê? Pintassilgos?

Sem comentários:

 
Iniciativa Legislativa de Cidadãos contra o Acordo Ortográfico. Leia, assine e divulgue!