sexta-feira, março 11, 2005

Em Évora

Grande agitação.
Falta de chapas de matrícula em viatura estacionada obriga a intervenção da brigada de minas e armadilhas da PSP.
Anselmo, o proprietário da viatura, ao regressar com as chapas que tinha levado a arranjar vê uma data de gente, uma data de polícia, uma data de fumo, o carro explodido e chega a ser detido.
No DN de hoje:

"A PSP fez duas explosões controladas num veículo ligeiro sem matrícula estacionado no parque das Portas de Avis, em Évora, por suspeitar da existência de uma bomba no interior do veículo. O facto de este não ter chapas de matrícula levantou suspeitas e levou à actuação da Brigada de Minas e Armadilhas da PSP da cidade. Após análise da situação, os agentes optaram por fazer explodir o veículo para anular as fontes de alimentação. Esta operação decorreu durante mais de três horas e fez parar toda a circulação viária entre as portas de Avis e da Lagoa, reunindo na zona dezenas de pessoas. Após a detonação, surgiu o dono do veículo, que explicou às autoridades ter retirado as chapas de matrícula do veículo porque estavam danificadas e que tinha ido arranjá-las. O proprietário do veículo chegou a ser detido pela PSP e disse ao DN que o que se passou foi "um acto irreflectido". "Não fazia ideia das consequências que isto tinha", acrescentou, dizendo apenas que se chamava Anselmo e não queria revelar o apelido para evitar ao máximo ser alvo de "gozo" por parte da população. Contactada pelo DN, a PSP diz que fez o procedimento normal. E, ontem durante a tarde, um fonte policial citada pelo Portugal Diário afirmava que as suspeitas estavam relacionadas com a existência de "fios eléctricos visíveis no interior do veículo".

Sem comentários:

 
Iniciativa Legislativa de Cidadãos contra o Acordo Ortográfico. Leia, assine e divulgue!