sexta-feira, fevereiro 24, 2006

A República no seu "melhor"

A atribuição de quotas em alternativa à meritocracia sempre me pareceu de uma injustiça extrema. Seja o caso das mulheres em cargos públicos seja o da avaliação de desempenhos no marasmo indígena que comodamente se acoita na administração pública.
O Governo da República portuguesa resolveu estipular que, no vasto e extenso oceano pútrido da incompetência nativa, deveria ser estipulada uma quota mínima e obrigatória de 25% (vinte e cinco por cento) em excelência de desempenho. Ou seja, numa sala com cem funcionários públicos, vinte e cinco deles são obrigatoriamente, por força de lei portanto, excelentes. Nada mais errado. Em primeiro lugar porque jamais se conseguiria aglutinar tamanha quantidade de asneiras numa sala só. No máximo dos máximos oitenta e três. E isto porque ou estavam doentes uns, ou tinham ido tomar a bica outros ou estavam na casinha, ou tinham ido buscar o tabaco ao carro, ou tinham sido chamados pela chefia, ou estavam a comer a Francelina das cópias no economato. Uma impossibilidade técnica, essa dos tais 25%.
No entanto, ao que consta, o Conselho Superior de Magistratura atribuiu no Verão passado o qualificativo de excelente desempenho a 95% dos juízes. 95% meus amigos. É obra!
Portugal tem assim o maior ratio de excelentes juízes por m2 de justiça. Só igualado pelo ratio de campos de golfe por m2 de terra queimada.
O critério da atribuição arbitrária de quotas, seja qual for o número e área em que seja aplicado, não é critério coisa nenhuma. É uma desculpa esfarrapada de incompetentes e, por isso, natural e endemicamente incapazes de avaliar o que desconhecem por completo: competência.

4 comentários:

O Micróbio disse...

Conciso, claro e concreto... e competente! :-)

Bic Laranja disse...

Não inteiramente! As queimadas e os campos de golfe atestam competência. Cumpts.

L disse...

...

Lord of Erewhon disse...

Belo este blog!
Saudações monárquicas!

 
Iniciativa Legislativa de Cidadãos contra o Acordo Ortográfico. Leia, assine e divulgue!