quinta-feira, outubro 23, 2008

Reflexões & actualidades

A secretária-geral da Assembleia da República está feliz. A obra em curso na Sala do Senado não terá, espera-se, trabalhos a mais, e está a ser feita com tal cuidado que, além de durar cem anos, ninguém perceberá a dimensão da intervenção pois que ficará exactamente como está neste momento. A diferença será tecnológica. Desde computadores embutidos nas bancadas que providenciarão abrigo a ratos e teclados, à instalação de ecrãs gigantes que darão, ou melhor emprestarão, todo um outro dramatismo a acontecimentos tais como incêndios, cheias, terramotos, bombardeamentos nucleares e outras catástrofes. Ler aqui.


Fim de tarde em Lisboa. Sol amarelo razante, frio e duas imperiais na esplanada.
- Leste o Público de hoje?- diz um. - Sobre aquela história do computador do Sousa Tavares.- acrescenta.
- Lili!- responde alto o outro. O microcão de trela amarrada à perna da mesa o lado levanta-se e late. - Que merda mais estranha...-
- Acho que das três uma; - começa o um.
- ... - exprime o outro inclinando-se para a frente.
- Ou foi a ASAE, ou o Vasco Pulido Valente ou -
- Ou o quê ?- insiste o outro.
- Deixa-me acabar, foda-se. Ou então foi o gajo que simulou aquela história porque simplesmente não sabia como acabar ou continuar nem o conto nem a peça.

Após Setembro de 2007, alguém referiu e repetiu que as alterações ao código penal acarretariam consigo um agravamento significativo da criminalidade. Quase um ano depois, dá-se o Verão quente de 2008. Aposto que daqui a um ano, os efeitos da presente crise financeira a ser resolvida do pé para a mão à custa dos contribuintes europeus e americanos, postos no prego pelos seus governos, governos de países que há um ano achavam impossível resolver a fome no mundo com dezanove mil milhões de Euros, serão ainda mais complicados. A tomada de consciência de muita gente sobre muita coisa ao mesmo tempo faz sempre muito barulho. E isso incomodará e tirará o sono a muita gente. Daí à profusão de erros humanos vai um nada.

Sem comentários:

 
Iniciativa Legislativa de Cidadãos contra o Acordo Ortográfico. Leia, assine e divulgue!