sábado, janeiro 31, 2009

1 de Fevereiro de 2009 - 101ª Despedida

Amanhã decorrerá mais um aniversário sobre a data do regicídio de 1908. Provavelmente o cheiro a naftalina exalado de peles e samarras guardadas o ano inteiro voltará a pairar no ar no Terreiro do Paço. Cada vez mais os monárquicos que se juntam no local da efeméride pouco ou nada têm a ver com o povo seu antepassado, o que foi buscar o Mestre à Ordem de Aviz e o fez Rei, o que deu a vida e o sangue numa guerra que durou 28 anos, o tempo que demorou a resgatar Portugal do domínio castelhano, o que correu com os franceses há duzentos anos. Os monárquicos em Portugal transformaram-se em membros de um clube elitista de entrada condicionada a pergaminhos e brazões, coisa de tias, percebe? dando-se ao luxo de alimentarem entre si tricas de comadres e partidinhos de bairro, desperdiçando no entretém o tempo útil disponível para o relançamento de uma verdadeira Causa, como a defendida por Barrilaro Ruas. Pois: A ordem é rica e os frades são poucos.
Gonçalo Ribeiro Telles terá dito um dia: "Se pudesse tomar uma bica com cada português, restaurava a monarquia em Portugal".
Miguel Esteves Cardoso terá dito um dia: "Os monárquicos em Portugal constituem o maior partido clandestino que existe". Esses dias estão cada vez mais longe.
Hoje é o dia em que Miguel Sousa Tavares escreve no Expresso: "Eu penso que Portugal não vale muito como nação e como povo - aquilo que nos separa da inviabilidade não é tanto como, por inércia, nos habituámos a pensar." Não descortino o que haverá de comemorável no centenário a 5 de Outubro de 2010 a não ser a ignorância colectiva, o desprezo pelo passado, a vergonha da História e o triunfo da propaganda fónix.

Sem comentários:

 
Iniciativa Legislativa de Cidadãos contra o Acordo Ortográfico. Leia, assine e divulgue!