quinta-feira, janeiro 29, 2009

As vacas do Bloco, oTGV, os ATM e outras actualidades da República

O Bloco de Esquerda tem um fraquinho por vacas que pastam nas zonas verdes do tecido urbano lisboeta, nomeadamente na Praça de Espanha, e que julga serem açorianas mas não são.
A sua preocupação com o bem-estar físico e emocional de tais animais é tão comovente tão comovente que eu sei lá. As vacas, por seu lado, provavelmente têm o Bloco em tanta consideração como o resto do espectro político da república que vai desde o Bloco, lui même, ao PNR. Ou seja: estão-se ruminantemente cagando.
Por outro lado, é fundamental o TGV Lisboa <-> Porto para facilitar o acesso dos Madrilenos à Invicta, assim como o dos galegos a Madrid. Sendo Portugal a pagar, ainda melhor. No que diz respeito à retirada dos ATM dos tribunais para evitar que sejam furtados, verifica-se mais uma vez o síndroma do Outão. Aliás, o síndroma do Outão é uma prática administrativa compulsiva da República portuguesa no estado actual; cimenteira do Outão, exames de Matemática, Freeport, etc. Há umas semanas queixava-se a Marinha que Portugal não dispunha de meios suficientes para defender a sua zona económica exclusiva (ZEE). A solução, segundo os preceitos do sindroma do Outão, passará provavelmente pela alienação da ZEE em nome de uma qualquer outra potência marítima Atlântica, quiçá o Triângulo das Barbudas, pelouro de Alberto João Jardim.
Depois da recomendação de D. José Policarpo no sentido de as portuguesas pensarem bem antes de cometerem matrimónio contra muçulmanos, surge no horizonte o Nobel Saramago recomendando que as mulheres do mundo civilizado, a começar pela secretária de Estado norte americana Hilária, se agarrem com unhas e dentes aos apelidos de nascença que lhes foram transmitidas pelo protagonista masculino no acto da concepçao.
Admirável mundo novo este em que, enquanto a economia cai de podre, milhares de pessoas morrem de fome e as gentes do planeta se interrogam sobre o seu futuro nele e com ele, a brigada geriátrica avisa, avisa e avisa.

Sem comentários:

 
Iniciativa Legislativa de Cidadãos contra o Acordo Ortográfico. Leia, assine e divulgue!