quinta-feira, maio 07, 2009

Bloco Central

Já existe. Sempre existiu. Neste momento arruma-se a casa para a Festa das Legislativas. Atirar com Paulo Rangel para o Parlamento Europeu desvitalizará a oposição do PSD ao PS na Assembleia da República; cria mau ambiente, o tipo. É uma voz incómoda, não só pelo timbre como pelo que diz. E o que diz despoleta reacções disparatadas a membros do governo, o que é tudo o que um Bloco Central não precisa. Por muito que Sócrates não suporte Ferreira Leite e vice-versa, os que estão por detrás deles vão obrigá-los a entenderem-se. Em nome da sua-deles economia ou do que resta dela. Ou então rua; não haverá financiamento em dinheiro vivo para ninguém.
Por outro lado o tom majestático que Cavaco usa, quando o usa, referindo-se a si próprio com O Presidente da República, costuma ser sinal de tempestade no horizonte. Aconteceu quando dissertou sobre o uso da palavra pouco antes da questão do estatuto dos Açores. Voltou a usá-lo ontem quando respondeu a um jornalista O Presidente da República não tem que se pronunciar sobre as informações que lhe são dadas pelos que têm o dever de o fazer. Isto na sequência da questão Dias Loureiro vs Conselho de Estado.
Pelas bandas do PS, aguarda-se com alguma expectativa para dia 15 de Maio a mensagem do Vice-Presidente da República, Manuel Alegre. Não tanto pelo que dirá, que toda a gente já sabe, mas pela forma como o irá fazer. Alegre incomoda o PS. José Lello não resistiu a provocá-lo na sequência do episódio "Vital Moreira e o 1º de Maio".
O Bloco Central sempre existiu, nomeadamente na concordância tácita em manter Portugal refém de um regime pseudo-democrático que não aceita na sua Lei Fundamental, a Constituição da República, a possibilidade de existência de outro regime democrático que não o republicano, que proíbe a organização das eleições para o Parlamento em círculos uninominais, ou seja, responsabilizando cada deputado para com os eleitores do círculo eleitoral que o elegeu, como se fazia no fim do sec.XIX princípio do sec. XX, altura em que Portugal ombreava por direito próprio com os países mais desenvolvidos da Europa.

Sem comentários:

 
Iniciativa Legislativa de Cidadãos contra o Acordo Ortográfico. Leia, assine e divulgue!