quarta-feira, junho 01, 2005

Referendo

Aos franceses seguem-se os holandeses: mais um Não à vista.
Por cá, a pouco e pouco, a inteligentsia do Reino vai-se sentindo atraída pelo Não, essa aposta em coisa nenhuma, opção niilista, redutora e terminal. Mas se n Nãos ganharem, o que está feito continua feito; o Tratado de Nice manter-se-á em vigor, as decisões que afectarão cada membro da União continuarão a ser tomadas. Só que tudo isso mais lentamente. Com a velocidade a que a China e a Índia se preparam para tomar de assalto a economia mundial, essa lentidão de reflexos, que se prevê europeia, não augura nada de bom; nunca há nada de bom do lado do Dr. Louçã e do lado do Sr. Le Pen. Ainda por cima quando ambos estão do mesmo lado. Só mais uma coisa: acreditem que a China jamais estará disposta a continuar a pagar tão caro o petróleo de que necessita para cilindrar económicamente o Ocidente. Mal acabem os Olímpicos de 2008, barriquem-se.

Post Scriptum: A verdadeira razão do Não francês e Holandês é esta: Ma$$a. Os gajos já deram para o peditório dos pobres do Sul, e não querem continuar a dar para o peditório dos pobres do Leste. O resto é retórica.

4 comentários:

O Micróbio disse...

É tudo uma questão de defesa da raça... os franceses que o digam. Já têm zona onde o francês não se ouve...

FDV disse...

caro el-rei, há um referendo sonoro à tua espera nas paredes oblíquas. naturalmente, és livre de dizer não.

abraço.

Bajoulo disse...

“É melhor ser o Trabalho a governar o mundo, do que as opiniões sobre o Trabalho” - Quitéria Barbuda in "Partindo o Mealheiro", Revista "Espírito", nº3, 20005.

www.riapa.pt.to

PUTA disse...

Quem governa o mundo é o dinheiro e os Filhos das Putas...

 
Iniciativa Legislativa de Cidadãos contra o Acordo Ortográfico. Leia, assine e divulgue!