quinta-feira, outubro 30, 2008

Aquilo dos contentores

É uma vergonha. Claro que subscrevi a petição. Hoje, depois de ler no Público que os estivadores (malta que há mais de dez anos sacava mais de mil e quinhentos contos por mês, segundo me afiançou hoje um velejador olímpico) ameaçaram de porrada o Miguel Sousa Tavares por ter dito o que pensava sobre o assunto atestei os lúzios no jornal da noite da TVI. Para espanto dos espantos vejo que o tipo se fechou em copas quando chegou a altura de dizer ao que vinha, alegando não sei o quê sobre igualdade de condições e que a ele enquanto comentador isento não caberia defender uma causa que apoiava porque não havia contraditório e mais não sei quê e o camandro. Chateou-me. Depois percebi: avizinha-se debate aceso na TVI sobre a história dos contentores, com contraditório e tudo, com share nos píncaros e casa cheia a ver anúncios sobre detergentes e carros e o caraças, entre dois cigarros e copos de três. Pois que seja. Nem que seja assim. Acho suspeito e, por isso, digno de peixeirada à medida, que uma concessão que acaba em 2015 seja tão apressadamente renovada por mais 27 anos por adjudicação directa a uma empresa que tem à cabeça Jorge Coelho, assim como quem vai ali ao mercado comprar um molho de oregãos e uma cabeça de maruca. Tresanda à história do busto de Napoleão.

1 comentário:

JPG disse...

Uma coisa que tenho visto pouco (ou nada) referida, sobre este assunto, tem tudo a ver com obras... e nada pequenas. Aquilo não é "só" aumentar em 500 metros a área de contentores. Isso é o menos.
Segundo o DL 188/2008, toda a área de intervenção da Liscont vai ser arrasada, terraplanada, e depois repavimentada e todos os edifícios construídos de novo, de raiz!

 
Iniciativa Legislativa de Cidadãos contra o Acordo Ortográfico. Leia, assine e divulgue!