domingo, janeiro 25, 2009

O regresso da abetarda (*)

Hoje apetece-me escrever sobre o Expresso. Noutro dia apeteceu-me fazer umas aguarelas, mas hoje é mais sobre o Expresso. Uma das notícias do último Expresso refere que o presidente do IGESPAR Elísio Summavielle garante cara lavada em três anos ao património edificado que se tem aceleradamente degradado nos últimos vinte anos. O mesmo Summavielle que teceu elevadíssimas considerações à grua idealizada por João Soares para se aceder ao Castelo de S. Jorge. Acho extraordinário o prazo de degradação do património ser definido pelo intervalo de tempo decorrido entre 1989 e 2009. Também acho extraordinário que o presidente do IGESPAR considere vinte anos muito tempo.
Outra notícia refere que à banca não convém executar uma penhora de oitocentos milhões de euros sobre Joe Berardo porque isso se reflectiria em perdas que teriam que ser publicadas nas contas anuais dos bancos credores e a última coisa que os bancos hoje em dia querem é dar a sensação que estão à rasca. Mas se um tipo se atrasa numa puta duma prestação da casa são capazes de rapar todas as contas com o seu nome, mesmo que abertas com terceiros como primeiros titulares. Belmiro e Amorim, por seu lado, perderam dois mil milhões. Assim mesmo.
Imagino os dois a encontrarem-se num Posto de Abastecimento da Petrolífera Nacional:
- Então pá, ó Belmiro, como vai isso ?- pergunta o Amorim enquanto abastece o Daimler.
- Eh pá, ó Américo, isto está uma beca mal, dasse. Perdi dois mil milhões, tás a ver.
- Fogo meu! Também eu ólhó caralho!-
E pronto.
Outra notícia curiosa tem a ver com a doçura com que o Exresso fala da descarada cartelização das companhias petrolíferas em Portugal. Por cima de um gráfico onde se demonstra à saciedade a coincidência no tempo e no valor das subidas e descidas dos preços da gasolina e do gasóleo das quatro principais (GALP, CEPSA, BP e REPSOL) pode ler-se "Petrolíferas com preços alinhados". Alinhados? Quanto à obrigatoriedade de afixação de um painel com os preços dos combustíveis nos postos de abastecimento nas Auto-Estradas, subsiste aquela irritante e completamente inútil placa amarela onde se lê "Brevemente indicação de preços". É de uma inutilidade absoluta, ao nível da placa informativa nas saídas das Auto-Estradas indicando "Outros destinos". A estupidez é como as ervas: cresce com a chuva.

(*) Título que o último Expresso dá a uma série de notícias que vão desde a alegada corrupção de um engenheiro da Câmara de Góis que deu por concluída uma obra de pavimentação de uma estrada que nem sequer tinha começado, ao número de chamadas do Centro Social de Castelo Branco aberto há um mês, passando pelos dois milhões de prejuízo causados pelo apagão que "atingiu Moita, Martingança e Maceira". Ah, é verdade, o número de abetardas passou de 1150 em 2001 para 1600 em 2008, 80% das quais na zona de campo Branco em Castro Verde.


Sem comentários:

 
Iniciativa Legislativa de Cidadãos contra o Acordo Ortográfico. Leia, assine e divulgue!