domingo, outubro 18, 2009

Saramago e o factor Deus

Da mesma maneira que não consigo deixar de ser do Sporting apesar da inépcia insistentemente demonstrada pelos seus jogadores jogo após jogo, após jogo, após jogo, (apesar de ter ganho hoje por 3-0 ao Penafiel...) custa-me imenso perceber o frenesim de Saramago em dissertar sobre Deus e periferias sendo ele um ateu confesso.
Há coisas que me transcendem embora de uma forma suave e que me não tira o sono.
Não se vá dar o caso de o seu último livro não ser devidamente publicitado e consequentemente consumido, apressa-se inquieto em avisar que admite que o livro possa incomodar os judeus.
(Não sei o que se passa com o cab*** do blogger hoje que não destrava os bold nem as cores do texto).
De qualquer maneira (ah, bom, estava a ver que não) o envolvimento de Saramago com entidades em que não acredita é problema dele. O facto de Hermann Hesse ter publicitado a marca de Caim quando escreveu Demian há dezenas de anos atrás é, naturalmente, pura coincidência. Aliás até aposto em como Saramago nem se lembra de ter lido Hesse. Ou mesmo os versículos satânicos de Salman Rushdie antes de publicar o evangelho segundo Jesus Cristo. Agora desculpem lá mas vou jantar uns pézinhos de coentrada acompanhados de um excelente tinto alentejano.

1 comentário:

pequena lontra disse...

ola,

so para dizer que a instalaçao foi reconvertida em:

nixpo.blogspot.com

;)

 
Iniciativa Legislativa de Cidadãos contra o Acordo Ortográfico. Leia, assine e divulgue!